quinta-feira, 13 de maio de 2010

Alguém Pode Dizer o Que é Normal?

Bom... Sei que isso já virou rotina, mas esse comentário que irei fazer no início do texto se faz necessário: Vou logo avisando, estou passando por um ócio criativo e o tema de hoje foi sugerido pela minha parceira no blog. Espero que não se decepcionem com minhas idéias.

Depois de pedir socorro para Mônica no desenvolvimento de um tema para este texto, ela me sugeriu que falasse do caso da procuradora que espancou uma menina de dois anos de idade, que a própria procuradora queria adotar. Também me foi sugerido falar de como nós - a sociedade - já nos acostumamos com casos de violência e já não ficamos tão horrorizados como antigamente (a violência é tão fascinante e nossas vidas são tão normais?).

Como a ordem dos fatores não altera o produto, vou começar a falar sobre a violência.

Renato Russo era realmente um visionário. É incrível, como os assuntos relacionados à violência vem ganhando destaque na mídia brasileira (falo isso não só como leitor e telespectador voraz de jornais e telejornais, mas também como estudante de jornalismo. E sim, nos é ensinado na faculdade que violência vende jornal). Hoje ninguém mais fica chocado com notícias como a do corpo de uma mulher de 21 anos que foi encontrado dentro de uma mala no Canal do Leblon. No primeiro dia se faz todo um circo em cima do caso. No segundo dia se corre atrás para saber quem é o assassino. E no terceiro dia, depois de descoberto quem foi o monstro que fez aquilo, o caso some das manchetes, as pessoas já não se importam mais e foi apenas mais uma vida que foi tirada de forma estúpida e brutal.

É incrível como ninguém mais se revolta com nada. E daí se uma pessoa morreu ali na esquina? O que me importa se dez morreram na favela? O que importa é chegar em casa tranqüilo e em segurança, não é isso que todos pensam? A violência só passa a ser um problema nosso a partir do momento em que nos afeta diretamente, quando nós somos os alvos dela, ou quando pessoas que amamos sofrem com esse mal.

Sem querer ser portador da verdade, eu sinceramente acho que de nada adianta UPP’s, reforço de policiamento ou essas medidas que todo governo adora adotar para dizer que está fazendo alguma coisa, enquanto as pessoas continuarem achando banal o fato de “só” terem morrido 493 pessoas em 120 dias até agora em 2010. E não só isso, o governo comemora esta marca como a menor desde 1991. Eu estou ficando louco ou algo precisa mudar urgentemente na secretaria de segurança?

O próximo assunto foi algo que me chocou. Na verdade, eu nem sei o que escrever sobre esse assunto, porque minha ficha até agora não caiu e sempre tomado por um sentimento de raiva e profunda tristeza quando me lembro disso, mas vamos lá, já que me comprometi a tratar deste assunto e vou fazê-lo.

O que pensar quando você vê no jornal a notícia que uma procuradora de justiça espancou uma menina de dois anos? E o pior (como se ainda fosse necessário ter algo pior...), a promotora, estava lutando na justiça para conseguir ter a guarda tutelar da menina. Eu não sei vocês, mas no momento em que vi isso, demorei pelo menos uns cinco minutos para poder conseguir compreender o que estava sendo dito e para poder aceitar as informações que estavam sendo mostradas.

Como é possível uma pessoa em sã consciência (ok, essa mulher não devia estar em são consciência) se dar ao prazer de lutar na justiça pela guarda de uma criança só para ter o prazer de espancá-la? E não me venha dizer que isso fazia parte de um ritual satânico para uma seita pagã qualquer, porque isso é a maior estupidez. A melhor definição para o caso dessa mulher é um trecho da música “Cotidiano de um Casal Feliz”, do cantor Jay Vaquer, que diz mais ou menos assim: E até pensa em adotar alguma criatura, pode ser uma criança ou um labrador. Só depende da raça, depende é da cor que pintar primeiro...”.

Para por fim a este assunto, sem me prolongar muito mais, eu apenas vou dizer que ainda acredito que a justiça seja feita, mesmo que algo dentro de mim diga que esse caso será esquecido como tantos outros casos, que essa mulher será esquecida pela justiça e continuará recebendo sua excelente aposentadoria paga advinhem por quem? Exatamente... Por nós!

Cadê meu nariz de palhaço?

E antes de encerrar este texto, vou comentar uma coisa e fazer uma pergunta... Quando perguntaram para as empregadas da procuradora (essas que também eram humilhadas por causa da sua cor e do seviço que exerciam na casa da aposentada) por que elas a denunciaram, a resposta foi simples e direta: “Porque se nós não fizéssemos isso, quando encontrassem a criança cheia de hematomas, ela iria dizer que a culpa era nossa”.

O xis da questão é: Em quem vocês acham que a polícia acreditaria? Na respeitável procuradora aposentada que estava lutando pela guarda da menina ou nas duas domésticas? E você... Em quem acreditaria?

By Eduardo

2 comentários:

Nine disse...

Sem comentários quanto ao seu texto, perfeito, bem estruturado, tocante. Você conseguiu me comover, me indignar, me emocionar e pensar porque eu não fiz nada pra mudar o mundo. Você se supera mais e mais, a cada dia, meu companheiro. Tenho orgulho de ti. Te amo infinitamente. E infelizmente, todos sabemos em quem acreditariam, né? A corda sempre arrebenta pro lado dos justos. Como diz a Pitty: Penso, logo, desisto.

Jean James disse...

meu caro... Ainda nao viu que acrueldade humana nao tem limites? Fabricamso todos os dias as noticias,lemos para depois nos indignarmos por aquilo que criamos! Estou te culpando sim! Estou me culpando sim! E a culpa é nossa! pq nao?! "Todos os dias qnd acordo lembro e esqueço como foio dia..." Quieceu pq? se amanha vc vai ver td denovo: gente faminta na esqueina, crianças perdendo o futuro, se é que um dia ganharam o presente. Se a morte nao é digna de um espetaculo, vamos cortas braços e pernas quem sabe separados fazem mais sucesso! E pq me preocupar comalguem que agride uma criança? tem milhares morrendo sem nem nascer, devo me preocupar comapenas um? melhro nao me preocupar comnenhuma delas, nao posso resolver mesmo... lamento! Volta manha que eu te dou um copo com leite e o pao de ontem! O paõ de hoje nao lhe serve...
Noticia Urgente: somso tao vitimas qnt eles, tao culpados e tao coitados! e nao ha nada a ser feito pois somos desabrigados, famintos, hipocritas e inquisitores.. tao obesos de prepotencia quenao enxergamos o nosos umbigo!

(momento desabafo mode on, desculpe o ultra texto, foi inevitavel, quem manda me provocar! te amo meu grande amigo, juntos vamos deixar a hipocrisia e quem sabe salvar o mundo, o nosso mundo! Shallon!!)

Postar um comentário

Sobre...